Quando criança, Ágata Lins Barbosa, 21 anos, brincava com tudo o que aparecia à sua frente: como não tinha muitos brinquedos, usava a imaginação para transformar isopor em casinha, potinhos em carros, papel em comidinhas, papelão em mercado. Talvez tenha surgido daí o gosto pela arquitetura, carreira que ela escolheu seguir quando cresceu. Filha única, Ágata costumava brincar sozinha, mas, aos finais de semana, juntava-se com as primas e então, inspiradas pelos desenhos do Scooby-Doo, ganhavam superpoderes e trabalhavam no serviço secreto resolvendo os mais complicados mistérios no quintal da tia Tereza, em meio aos pés de laranja e de café. Nos almoços de família, conseguiam ficar invisíveis e passar pela casa cheia da avó sem serem notadas.

 

Hoje Ágata é mãe da Débora, de quase dois anos. E esforça-se para que a filha tenha uma infância tão gostosa e brincante como a dela. Ali, todo mundo brinca – inclusive o papai –, e pela casa toda. Entre as preferências da pequena estão desenhar, cantar e dançar, brincar com caixas de encaixe com formas geométricas, com bonecas e carrinhos. E também não podem faltar os passeios ao ar livre, em locais como o Parque Villa-Lobos, em São Paulo, por exemplo.

 

Agata e Debora

Desde a gravidez Ágata já se preparava para ser uma mãe participativa. “Brincar é essencial para o desenvolvimento da criança, porque define como ela vai lidar com o mundo no futuro. Uma criança que brinca é uma criança mais feliz, mais ativa, independente e, principalmente, uma criança que se preocupa com o próximo”, explica. “Por isso sempre estou brincando com a minha filha. Busco deixar que ela me mostre como será a brincadeira, respeito o tempo dela e vamos encontrando novas formas de brincar conforme ela vai crescendo. Prezo a criatividade e o sonho de criança.”

 

Ágata é a prova viva de que não é preciso gastar um dinheirão com brinquedos e que a criatividade é o melhor ensinamento que podemos dar a uma criança. Para aqueles que ainda têm dúvida do poder da brincadeira, a mamãe dá o recado: “A brincadeira ajuda no desenvolvimento da criança e é muito importante participar nesse processo. Brincar é lembrar que viver é mais do que estar vivo”.

 

A gente concorda totalmente, Ágata!