Os potes da cozinha, sempre tão coloridos e de formas e tamanhos variados, podem render brincadeiras bem ricas e desafiadoras para as crianças. Mais simples do que esta, impossível! E até a gente se surpreendeu com a forma como o Rafa se envolveu e mergulhou na proposta.

A ideia é bem simples: separar vários potes de plástico, tirar as tampas e oferecê-los (potes e tampas) às crianças, convidando-as a encontrar qual tampa se encaixa em cada pote. Para a brincadeira ficar mais interessante, o indicado é que os potes sejam bem diferentes entre si. A quantidade vai depender de cada criança; para as mais novinhas, uns três ou quatro já são mais do que suficientes. Nós priorizamos potes e tampas de cores diferentes, para que a associação não fosse tão imediata e não se restringisse a esse aspecto.

O Rafa rapidamente se interessou pelos potes. A princípio, se pôs a tentar encaixar as tampas de maneira aleatória (tampa grande no pote pequeno ou tampa redonda no pote quadrado, por exemplo). Mas, passada a euforia inicial, ele começou a elaborar melhor as hipóteses, analisando formas e tamanhos antes de experimentar fechá-los. O sorriso estampava seu rosto a cada acerto. Sem contar no esforço dele para conseguir fechar os potes. Não foi fácil, mas ele não desistiu.

 

A gente se divertiu ao observar que, para ele, a brincadeira foi muito além de encontrar as tampas correspondentes. A cada um que ele pegava, falava coisas como “arroz”, “feijão”, “farofa”, “papá”, como se estivesse armazenando ali diferentes mantimentos. Para ele, essa foi também uma brincadeira de faz de conta.

Depois de fechar todos os potes, o Rafa quis destampar tudo e recomeçar a brincadeira. E depois de novo. Será que a proposta agradou?