Fazer barulho (e bagunça) é com a gente mesmo! Mas não nos referimos àqueles brinquedos irritantes dos quais as mamães e os papais costumam esconder as pilhas. Estamos falando de sons diferentes, produzidos pelas próprias crianças que, além de muito divertidos, ainda possibilitam a elas criar uma sensibilidade musical apurada.

Os sons e a música sempre fizeram parte das brincadeira do Limerique. Confira abaixo cinco propostas do barulho que já publicamos aqui no site (para ler o post completo de cada uma, basta clicar no título correspondente):

1. Tambor de lata

No carnaval ou em qualquer outra época do ano, o tambor de lata, facílimo de fazer e barulhento na medida certa, anima até os menos empolgados. O Rafa e o Douglas superaprovaram o batuque e ficaram bem satisfeitos ao notar o som que conseguiam produzir. Como baqueta, usamos o bastão do pilão de amassar alho. =)

2. Chocalho de rolo de papel higiênico

Crianças e bebês adoram um chocalho. E, se os pequenos participarem da confecção do instrumento, a brincadeira fica ainda mais divertida! Esse também é bem simples de fazer e ainda reaproveita um material que normalmente vai para o lixo: o tubinho de papelão do rolo de papel higiênico. E o mais legal é que, variando o grão, é possível obter sons bem diferentes.

3. Cortina sonora

Usamos o próprio varão da cortina da sacada da casa do Rafa para pendurar, com um elástico grosso, vários objetos dos quais se pode tirar algum som: potes de plástico, colheres de pau e de alumínio, tampas de amaciante, garrafinha pet com arroz cru. O Rafa foi explorando cada um dos objetos aos pouquinhos, ouvindo atentamente o barulho que produziam. Foi importante termos utilizado elástico, e não um barbante comum, para que ele conseguisse puxar os objetos e tocá-los uns nos outros, variando os sons.

4. Uma brincadeira do barulho

Propusemos à Luiza um exercício de exploração sonora experimentando os vários sons produzidos por diferentes materiais. Com a ajuda dela, pegamos no armário da cozinha uma série de objetos: potes de plástico, bowls de inox, colher de pau, espátula de silicone, colher de alumínio, escumadeira de plástico e por aí vai. Dispusemos, então, os potes no chão com a boca virada para baixo e começamos a batucada. A Lulu bateu no bowl de alumínio, no pote de plástico mais fino, no pote de plástico mais grosso, sempre atenta aos sons que produzia, tão diferentes entre si. Um sorriso no rosto e os olhinhos piscando a cada batida. E, no fim, ainda descobriu um jeito de fazer um barulhão daqueles!

5. Uma caixinha e um violão

O violão com elástico e caixa de sapato fez um baita sucesso com o Rafa, o nosso pequeno músico. Num primeiro momento, ele ficou um pouco desconfiado e não quis segurá-lo, mas arriscou tocar as “cordas” de levinho, na nossa mão. Não demorou muito e ele logo de apossou do violão, explorando os sons que conseguia produzir. Tocou e tocou, até não poder mais. Arriscou inclusive balançar o corpo acompanhando a melodia.